Escritora Vera Salbego

Poesia e Contos , Crônicas

Textos

Nós duas e o Mar!
Nós duas e o Mar!



         Quarta-feira.   Dia frio.   Chegamos a Capão da Canoa, para visitarmos o mar, e os amigos que lá moravam.
         Na beira do mar, foi o primeiro local que descemos para vermos a beleza da praia e as ondas. Ficamos um bom tempo por lá olhando, e descansando da longa viagem.  Sisi ainda cansada, quis esticar aquelas pernas lindas, então foi caminhando pela areia úmida.  Eu fiquei observando aquela beleza morena, se dirigindo para o mar.
         As ondas vinham para perto dela, e molhavam seus pés. E lá ficou vários minutos brincando, e me chamando, para eu ir brincar também.
         Resolvi encarar a água, e fui direto pra ela. Ao me aproximar Sisi atirou um pouco de água para cima de mim, gostei da brincadeira e fiz o mesmo.  Caímos  na brincadeira, e nossas camisetas ficaram molhadas e transparentes. Avisto aqueles seios deliciosos, que aparecem ..fico olhando aquelas curvas, que me provocam.   Vou em direção a Sisi abraçando-a  e beijando-a com toda emoção daquele momento.
         E nos amamos ali mesmo, naquela areia úmida, apenas com o mar como nossa testemunha.
         Saímos de lá toda suja, e fomos para nosso hotel, chegando lá os funcionários ficaram perplexos conosco.   Sujas de areia e molhadas. Falamos que o carro havia estragado na beira da praia, e tivemos que empurrar.  Fomos para nossa suíte e tomamos um banho quente e pedimos algo para comer, já que  ficaríamos por lá mesmo.  Nosso lanche chegou, comemos,  e ficamos na cama, no colo uma da outra.  Adormecemos.
         Pela manhã ao acordar vimos, que tinha sol, e saímos para tomar nosso café. Pegamos bolo,frios,sanduíches e alguns canapés e tomamos suco e saímos para passear.  Resolvemos caminhar no centro de Capão para visitarmos algumas lojas que estavam abertas naquela época do ano.  Já tínhamos marcado de almoçar na casa de uma amiga, que morava no centro.  Mas tínhamos que fazer hora para irmos para lá.  A cada instante nossos olhares se encontravam e sorríamos de felicidade uma para a outra.
         Afinal chega a hora do almoço, e vamos para a casa das amigas, que também são casais como a gente. Na frente da casa tem um jardim com coqueiros lindos e que enfeitam a casa.  A porta abre, e Vivian sorri ao nos receber avisando, que Flavia já vem.  Entramos, nos abraçamos.  e  nos dirigimos para a linda sala de estar, de frente para o mar.
         A casa é aconchegante, com sala ampla, e piscina no pátio de frente para o mar, nossas amigas agora aposentadas moram em Capão. Abandonaram a metrópole pela calma do mar, pois Flavia é pintora, e lá ela encontra inspiração para pintar suas telas, que são conhecidas no mundo todo.
         Flavia adentra a sala sorrindo e diz brincando com suas amigas: “danadas por que não quiseram ser nossas hospedes?.”
         Então Letícia fala:  “- Amigas... não queremos tirar o sossego de vocês, e gostamos de não ter horário para nada, já que estamos de férias.”
         Tudo bem, mas que bom que estão aqui, agora conosco.  Estou fazendo um churrasco de cordeiro, pois sei que Sisi gosta.
         Oba, amo cordeiro.
         Ficamos ali conversando, e ouvindo música, enquanto Flávia estava na churrasqueira do lado de fora na área.
         Vão tomando drinques, acompanhados por petiscos trazidos pela empregada, enquanto o churrasco não fica pronto.
         Trocam informações sobre Cultura, Economia e outros assuntos.
         Flavia volta para a sala, e chama as amigas para almoçarem.
         Deixam as taças na mesinha da sala, e vão para a sala de jantar , que já está arrumada.
         Ao fundo uma música para acompanhar tão sofisticado almoço, e companhias.
         O almoço está perfeito!  Tudo muito bom e, a sobremesa dos deuses.
         Almoçamos , saímos da sala e fomos para a sala de jogos onde foi servido o café.   Ficamos por ali algumas horas batendo papo e rindo da própria vida.
         O dia passou, e chega à hora de irmos embora.  Nos despedimos de nossas amigas e saímos.
         Letícia dirigia, e Sisi ia conversando e pegando alguns CDs para escutarem enquanto o carro deslizava mansamente pelas ruas daquela cidade encantadora.
         No hotel sobem para sua suíte e pegam seus maios e vão para a piscina térmica, e notam que não tem ninguém, pois nesta época os hotéis são completamente vazios.
         Procuram nadar e ficam ali por um bom tempo se beijando, se acariciando dentro d’água
         Saem dali , voltam para o quarto e vão juntas para o chuveiro.
         Letícia contempla sua amiga desnuda a sua frente, e a beija todinha levando-a a loucura, que solta  gemidos de prazer, que igualmente ela também corresponde. A cama esta arrumada e as duas caem por cima dela e se amam lindamente.
         Depois do amor, corpo cansado adormecem juntinhas.
         Pela manhã Letícia pede café no quarto, e que venha com uma rosa vermelha.
Assim chegando o café ela acorda sua bela amiga, e a convida para tomar o lanche matinal juntas.
        “ - Bom dia, meu amor. Quero dizer que és a pessoa mais importante em minha vida e contigo quero viver para sempre.”
Sisi responde:
         - Bom dia, minha querida amiga. Eu também te amo e amarei para sempre.
         Tomaram o café e foram  fotografar os pássaros, que naquela época aparecem por ali.
         Fotografaram, e entre um beijo e outro foram deixando o tempo passar.
         O dia estava fresquinho e as duas com Jens e coletes caminhavam pela areia de mãos dadas como se nada na vida fosse proibido para elas.
         Passaram suas férias tirando fotos, visitando amigos, e curtindo o aroma e o sabor do mar com suas delicias da culinária.
         Chega o dia de ir embora, e suas amigas vão ao hotel para se despedirem e Flavia lhes entrega uma tela de Capão para elas.
         Ficam fascinadas por aquela paisagem.
         Agradecem e se despedem dizendo, que nas próximas férias voltarão para Capão da Canoa.
         Assim, termina nossa história, de duas mulheres que sabem viver e amar, apesar de muitas pessoas discriminarem essa forma de amar.
         “Toda maneira de Amor vale a pena”.

         Vera Salbego

VeraSalbego
Enviado por VeraSalbego em 17/04/2010
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras